terça-feira, 5 de março de 2013

A importância do Hugo


A importância de Hugo Chavez e seus governos não se restringem apenas à Venezuela e países vizinhos. A enorme libertação a que promoveu ao povo venezuelano, após sucessivos governos lacaios de direita que deixaram o país num estado absolutamente degradante a todos os níveis, não se limita a deixar sementes de um mundo melhor apenas na América Latina, mas transcende as fronteiras do continente americano.

As nacionalização de sectores vitais da economia permitiu-lhes recolherem recursos antes extraviados e investiram-nos na saúde, educação e habitação, além de lhes ter possibilitado uma readaptação da indústria para satisfazer os interesses do povo e não aos interesses estrangeiros e das elites crioulas. Compreendo que no emaranhado de notícias anti-chavistas profundamente desonestas uma pessoa tenha dificuldade em analisar a evolução social ocorrida naquele país, e se surpreenda ao ver como um Presidente ganha tantas eleições após tanto tempo no poder, mas no caso da Venezuela, não é difícil encontrar documentação que demonstre o progresso social após Chavez se ter tornado Presidente.

Era ainda pouco conhecedor e ingénuo a nível político quando em 2005 comecei a poder tomar atenção ao desenvolvimento social e político na Venezuela. Foi por curiosidade que vi documentários como A Revolução não será Televisionada, e ao pesquisar conheci sites como o Resistir.info, depois o O Diário que continuo a ler com regularidade e, claro, a TeleSur. É verdade que também não era assim tão ingénuo, já nessa altura sabia que quando um país tem uma embaixada dos EUA arrisca-se mais a ter um golpe de Estado, e portanto, ao aprofundar o que se passava na Venezuela, fui aprendendo, fui-me transformando politicamente.

O principal salto de consciencialização política, que esta minha observação me deu na época, foi a compreensão da dimensão da manipulação e da desinformação de que somos alvo quanto ao que se passava na Venezuela; quanto a esse país e quanto a muitas outras questões. Este passo foi importantíssimo para todo um consequente processo de transformação pessoal a nível ideológico, político e muito mais.

Com isto que vos conto, quero evidenciar como pode influenciar um processo revolucionário num longínquo país, nas pessoas de um outro. No caso venezuelano nem se pode dizer que seja uma revolução o que acontecera, contudo, a coragem anti-imperialista e socialista de Chavez e de um povo, teve como consequência directa a consciencialização de muitos outros além de mim, certamente.

Hugo Chavez, que não era comunista, indirectamente, esteve na origem do meu processo pessoal de transformação e consciencialização política que me fez tornar-me em marxista-leninista. O seu legado transcende as fronteiras da Venezuela, e penso que marca o seu nome na história da luta anti-imperialista na América-latina na companhia de Bolivar.

Até amanhã, comandante.

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Um excelente texto, meu caro